Capacitação em atividades gímnicas e acrobáticas

meme_igorNa próxima segunda-feira, dia 05 de agosto, os professores de Educação Física da rede pública, que participam do curso de capacitação em Pedagogia do Esporte, terão um encontro marcado com o professor Igor Armbrust. No conteúdo das aulas teóricas e práticas a serem apresentadas, na sede da Universidade São Judas, destacam-se as modalidades esportivas presentes na família esportiva das atividades gímnicas e acrobáticas e as competências relacionadas aos quatro pilares da Educação preconizados pela Unesco.

O curso de capacitação em Pedagogia do Esporte é baseado nas diretrizes da política de esportes e lazer da Prefeitura de São Paulo, sendo executado pelo Espaço do Conhecimento de Lazer e Esporte (Ecole), da Secretaria de Esportes, Lazer e Recreação (SEME). A proposta de capacitação que o Ecole tem trabalhado, com o apoio da Unesco, dentro do Programa Clube Escola, tem como objetivo a promoção do desenvolvimento humano por meio do esporte. “Estamos apresentando e discutindo um conjunto de ferramentas em Educação que possa subsidiar conhecimentos e estimular novas experiências para o desenvolvimento das atividades esportivas em São Paulo”, explica a coordenadora do Ecole, professora Sheila Silva.

As modalidades incluídas na família atividades gímnico-acrobáticas estão divididas em três segmentos: 

1) Ginástica artística: praticada em aparelhos específicos como solo, trave de equilíbrio, barras paralelas assimétricas e simétricas, barra fixa, mesa de saltos (antigo cavalo), cavalo com alças e argolas.

2) Atividades circenses: representadas pelas atividades malabarísticas, funambulescas, clownescas e acrobáticas.

3) Esportes radicais: representados pelas modalidades de skate, parkour e slackline.

“Atividades ‘funambulescas’ referem-se às situações de equilíbrio sobre algo e as atividades ‘clownescas’ são representações mímicas e expressivas”, explica o professor Igor.

(Texto e imagem: Fernando F. Ferreira)

Prefeitura e entidades do terceiro setor reforçam legado social e esportivo da Copa

luizsales2O Instituto Esporte e Educação apresentou na última quarta-feira, dia 26 de junho, no auditório do Estádio Paulo Machado Filho, no Pacaembu, o plano de trabalho intitulado “Cidade do Esporte: Uma Nova Jogada para São Paulo”. O Plano faz parte do Projeto Cidades da Copa e tem a participação de dezenas de empresas e organizações do terceiro setor, município de São Paulo e Governo Federal. O objetivo é contribuir efetivamente para o legado social e esportivo da Copa do Mundo FIFA 2014 e para a garantia do direito à prática do esporte na cidade de São Paulo. Foram definidos cinco objetivos específicos: qualificar os profissionais que atuam no esporte; ampliar e fortalecer as políticas públicas de esporte para o desenvolvimento humano; democratizar a prática desportiva em toda a Cidade; diversificar a oportunidade de práticas esportivas; e avaliar sistematicamente a prática esportiva em São Paulo.

Segundo o secretário-adjunto da Secretaria de Esportes, Lazer e Cidadania (SEME), Luiz Francisco de Sales, que representou o secretário Celso Jatene no evento, os objetivos previstos no plano coincidem em boa parte com os objetivos e metas da SEME. Segundo Sales, a SEME está se estruturando para atender demandas em infraestrutura, buscando realizar o diagnóstico da situação, para a melhoria dos serviços prestados à população e o cumprimento efetivo da missão: “Isso também implica em um plano de ação, cuja base é ouvir o cidadão. Já estamos ampliando a oferta esportiva na cidade de São Paulo, melhorando seus equipamentos. Hoje a SEME tem 46 centros esportivos e o Centro Olímpico, onde também se desenvolve pesquisa e se produz conhecimento sobre esportes”, destacou.

Sales aproveitou a oportunidade para anunciar novidades que o governo Fernando Haddad está desenvolvendo para tornar a prática esportiva um fator de inclusão e desenvolvimento sociais, além de ser notadamente uma fonte de benefícios à saúde e ao bom desempenho e permanência de crianças e jovens nas escolas. O papel da Secretaria está sendo rediscutido, com o envolvimento de 947 funcionários, de modo a implementar uma gestão participativa, com o objetivo de garantir o sucesso de todas as metas estabelecidas.

Além do Projeto Cidades da Copa, apoiado pela SEME desde o início, as demandas esportivas de todas as comunidades das regiões de São Paulo passaram por audiências públicas. “Isso gerou um plano de obras e a criação do Projeto Rede Olímpica, um estágio anterior ao esporte de alto rendimento, com a construção de cinco Centros de Iniciação Esportiva, que serão abertos numa parceria com o Ministério dos Esportes e Lazer”, afirmou Sales, destacando que está em estágio avançado o projeto de criação de mais um centro de esportes de alto rendimento, desta vez, na Zona Leste, com financiamento privado e numa parceria com a Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (FIESP) e SESI.

O secretário-adjunto da SEME também ressaltou os investimentos da Prefeitura de São Paulo na prática desportiva em termos de capacitação de profissionais. Este ano, dezenas de profissionais de Educação Física da rede pública, não só da SEME, mas também da Secretaria de Educação, estão recebendo capacitação em Pedagogia do Esporte, cobrindo todas as modalidades desportivas. O curso é desenvolvido no âmbito da SEME pelo Espaço do Conhecimento do Lazer e Esporte (Ecole), a partir de acordo de cooperação técnica com a Unesco. O objetivo desta iniciativa é ampliar o acesso da população às unidades de esportes mantidas pela Prefeitura, oferecendo serviços e orientação sobre práticas desportivas, com mais qualidade e já sob uma visão de fomento à saúde e de estímulo à cidadania.

nadia_campeao1De acordo com a vice-prefeita, Nádia Campeão, que também participou do evento no Pacaembu, o trabalho sugerido pelo Plano Cidade do Esporte agrega mais informações ao planejamento feito pela Prefeitura para o setor de esportes. Segundo ela, o Plano tem conteúdo realizável e apresenta alguns desafios que podem ser superados com a participação ativa de toda a sociedade. “São Paulo precisa fortalecer seu Conselho Municipal de Esportes e está buscando condições para aumentar a participação do setor no orçamento municipal. O esporte não pode ser separado do programa de desenvolvimento do País. Vamos nos debruçar sobre esse Plano. Precisamos ter políticas públicas permanentes de esporte”, observou. 

Presidido pela atleta ex-campeã Olímpica e Mundial de voleibol, Ana Mozer, o Instituto Esporte e Educação lançou o Projeto Cidades da Copa ainda em abril, no SESC São Paulo, com a participação de representantes de cerca de 60 instituições do terceiro setor, da academia e das secretarias municipais de Educação, da Pessoa com Deficiência e Mobilidade Reduzida, além da Secretaria de Esportes, Lazer e Recreação. O Projeto tem o apoio da Rede de Esportes pela Mudança Social, do Unicef e da ONG Atletas pela Cidadania, com financiamento das empresas Votorantim e CCR, por meio da Lei de Incentivo aos Esportes.

(Texto e imagens: Fernando F. Ferreira)

Professores avaliam participação em curso de capacitação

Professores de educação física que participaram do curso de capacitação em esportes coletivos terrestres avaliaram positivamente as atividades do curso de Pedagogia do Esporte, que está sendo promovido pela SEME e desenvolvido pelo Ecole. No dia 17 de junho, alguns deles deram os seguintes testemunhos:

ricardo_pimentel_teixeira Ricardo Pimentel Teixeira

Formado em 1996 pela Unimesp (ex-Faculdades Integradas de Guarulhos).

“Creio que o aproveitamento teórico e prático do curso serve não só para atualização dos Educadores, porque é uma oportunidade de revivermos nossa formação, indo sempre além e aprendendo coisas novas. Estou em busca de novos conhecimentos que possam ajudar meus alunos no Campeonato InterCeus e nas Olimpíadas Estudantis”.

luiz_gustavo

Luiz Gustavo

Formado em 2002 pela Universidade de Mogi das Cruzes, pós-graduando em Futebol e Futsal pela Universidade Gama Filho.

Atua no Clube Escola de Pirituba

“A questão da Pedagogia do Esporte atraiu minha atenção para este curso, porque os Educadores ainda têm uma formação muito voltada para metodologias de treino que têm base na repetição de exercícios. Considero que este curso sirva para quebrar paradigmas, evoluindo para um método de trabalho mais flexível, orientado pelos quatro pilares da Educação da Unesco e voltado para o progresso individual dos alunos”.

joseane_de_almeida_vidigal

Joseane de Almeida Vidigal

Formada em 1985 pela Faculdade de Educação e Cultura de São Caetano do Sul.

Atua na Coordenadoria de Gestão de Políticas do Esporte, Lazer e Recreação da SEME.

“Tenho admiração pela visão científica e de futuro que o Ecole trouxe na implementação desses cursos, o que considero importante para não estagnarmos no tempo e buscarmos mais qualificação para o fomento de políticas públicas. O curso enriquece a formação profissional e tem um conteúdo dinâmico e moderno.”

marcus_paula_de_arruda

Marcus Paulo de Arruda Gresele

Formado em 1995 pela Unesp de Rio Claro.

Atua no CEU de Jaguaré como especialista em Informações Técnicas Culturais e Desportivas.

“A união da formação esportiva com a formação educativa tem nos quatro pilares da Educação da Unesco sua melhor tradução, porque se define pela própria formação social do indivíduo e, por seguinte, busca também melhoria da qualidade de vida da comunidade em que ele vive. Repassar a prática do esporte sem esquecer a contextualização social, através de subsídios técnicos e pedagógicos, é fundamental para o atendimento e entendimento dos alunos em nosso ambiente de trabalho”.

fabio_brandao

Fábio Brandão

Formado em 2002 pela Universidade de Santo Amaro (Unisa).

Atua na Coordenadoria de Gestão de Políticas do Esporte, Lazer e Recreação da SEME.

“Este curso está proporcionando conhecimentos específicos em diversas modalidades esportivas, ampliando maior contextualização em relação aos quatro pilares da Educação apoiados pela Unesco. Isso gera uma ótima oportunidade de atualização profissional, com a integração da teoria e da prática desportiva”.

andre_faravola

André Farávola

Formado em 2000 pela Universidade de Mogi das Cruzes.

Atua no Clube Escola Mie Nichi, no Bom Retiro.

“O curso é um incentivo para que os professores de Educação Física repensem a parte didática do ensinamento das práticas desportivas, encontrando maneiras mais pedagógicas de ensinar a técnica dos jogos. É também uma oportunidade de melhorar o processo de ensino-aprendizagem, enfocando todo o contexto social de inserção da escola na comunidade”.

(Texto e imagens: Fernando F. Ferreira)

Time de educadores do esporte entra em quadra para aprender ainda mais

IMG_0008Um time vitorioso formado por professores de Educação Física marcou presença no início das atividades do Módulo Dois do curso Pedagogia do Esporte, promovido pela SEME por meio do Espaço do Conhecimento em Lazer e Esporte (Ecole). Cerca de 50 profissionais das áreas de Educação, Esporte e Lazer assistiram à aula teórica e prática sobre “Esportes Coletivos Terrestres”, realizada na Universidade São Judas, no último dia 17 de junho.

Sob o comando do professor Dante de Rose Júnior, a turma estudou pela manhã as principais características dos esportes coletivos terrestres, conhecendo variados aspectos da “essência dos jogos”. Os alunos receberam instruções sobre a participação simultânea de contendores, em ataque e defesa, e outros elementos como a comunicação e as regras específicas de jogos de handebol, voleibol, basquete, futebol e futsal. À tarde se reuniram no ginásio de esportes para dicas de treinos e de técnicas de jogo. IMG_0064

De acordo com Dante de Rose Jr, o objetivo do curso foi apresentar as modalidades que compõem a “família” dos esportes coletivos terrestres, destacando suas características comuns, assim como as competências e saberes que podem ser adquiridos por meio da prática desportiva. “Queremos somar conhecimento à experiência dos Educadores, para que isso influa numa divisão do protagonismo entre professores e alunos, de modo que estes últimos tenham mais oportunidade de se expressar e de se interessar pela prática do esporte”, afirma. 

O curso de Pedagogia do Esporte foi especialmente estruturado para que a transmissão de conhecimento explorasse inclusive a vivência dos Educadores com o esporte e o lazer. Participando do curso, há professores que se especializaram em diversos esportes e trabalham com milhares de alunos, de todas as faixas etárias. “Trabalhar com uma turma de profissionais que têm até 30 anos de experiência em Educação Física é uma experiência muito boa para a troca de informações e conhecimento”, reforça Dante Jr.

O professor Ricardo Pimentel, do CEU Feitiço da Vila, por exemplo, além de Educador de centenas de alunos, também é treinador da equipe tricampeã de natação do Campeonato Interceus, com atletas de sete a 17 anos. Já o professor Luiz Gustavo tem cerca de 500 alunos no Clube de Pirituba, onde ensina técnicas de futebol e futsal. No Bom Retiro, o professor André Farávola coloca em campo, no único estádio público de beisebol do País, uma turma de 80 crianças, jovens e adultos interessada nesse esporte que está crescendo no Brasil.

Em se tratando de esportes meio que “inusitados”, é bom lembrar que entre os alunos do curso, também está o professor Marcus Paulo Gresele, do CEU de Jaguaré, que aposta no “rúgbi tag” como esporte ideal para passar a centenas de alunos da comunidade onde atua ensinamentos de disciplina e valores éticos. “É um esporte extremamente viril, mas não é agressivo”, avisa Marcus, desfazendo o preconceito de que o rúgbi seja um esporte violento.

A Prefeitura de São Paulo tem hoje 46 Centros Esportivos Municipais com o programa Clube Escola e dezenas de Centros de Ensino Unificados (CEU’s). Todos possuem infraestrutura de campos, quadras, ginásios e piscinas para a prática de esportes. São espaços públicos abertos em todas as regiões do Município, administrados pela SEME e pela Secretaria de Educação, respectivamente. Além desses, a cidade também possui 286 Clubes da Comunidade, que são administrados por associações e organizações não governamentais.

Segundo a professora Sheila Aparecida Silva, coordenadora do Ecole (Espaço do Conhecimento de Lazer e Esporte), o curso de Pedagogia do Esporte visa oferecer oportunidade de capacitação, ressaltando a relevância de métodos de progresso e avaliação, tanto dos alunos quanto dos Educadores, junto às comunidades onde atuam. “No dia a dia dos professores, é possível passar mensagens não só técnicas de diferentes modalidades, mas também sobre um conjunto de valores e de visão do mundo que devem nortear para a qualidade de vida dos indivíduos e o bem-estar social”, observa.

IMG_0116O professor Dante de Rose Júnior é pós-doutor em Educação Física, autor de oito livros sobre esportes. Dante também escreveu para o Ecole, numa parceria apoiada pela Unesco, o Guia Prático de Esportes Coletivos Terrestres. Este Guia está disponível on-line para acesso aberto ao público e, possivelmente, será transformado em publicação da Prefeitura de São Paulo para distribuição direcionada aos Educadores da rede pública. Outros professores do curso de Pedagogia do Esporte, coordenado pela SEME/Ecole também estão preparando seus Guias e cursos, estes últimos que têm programação até o mês de outubro.

(Texto e imagens: Fernando F. Ferreira)

Prefeitura incentiva a capacitação de professores de educação física

ProfSheilaSilvaA Prefeitura de São Paulo, por meio da Secretaria Municipal de Esportes, Lazer e Recreação (SEME), está implantando um novo projeto para capacitação de dezenas de profissionais de Educação Física, que atuam na rede pública municipal, nas mais variadas modalidades desportivas, com o objetivo de melhorar a prática pedagógica nos Clubes Escola. O projeto é desenvolvido no âmbito da SEME pelo Espaço do Conhecimento de Lazer e Esporte (Ecole), com o apoio da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco).

De acordo com a coordenadora do Ecole, professora Sheila Aparecida Silva, além da capacitação profissional, o projeto visa especialmente contribuir com a ampliação das oportunidades de acesso do paulistano às práticas desportivas na capital. “São Paulo tem 45 Clubes Escola, que fazem parte da administração direta do Município, além de 450 Clubes da Comunidade (CDCs). Esses espaços públicos precisam ser melhor trabalhados e divulgados, para levar a população à prática esportiva e ela possa desfrutar de seus benefícios, em bem-estar, qualidade de vida e saúde física e mental”, explica.

Desde maio deste ano, o projeto reuniu especialistas em Educação Física para ministrar o Curso de Atualização em Pedagogia do Esporte, com 122 horas de duração e dividido em três módulos. Os cursos apresentam partes teórica e prática e possuem a característica comum de valorizarem os Quatro Pilares da Educação recomendados pela Unesco: aprender a ser, aprender a conviver, aprender a conhecer e aprender a fazer. “Desse modo, buscamos direcionar o projeto para que crianças, jovens e adultos tenham condições de se envolver com a prática desportiva, desenvolvendo habilidades e competências que possam ser aplicadas no dia a dia, para toda vida”, ressalta a professora Sheila.

Além dos Educadores que atuam diretamente nos Clubes Escola, o projeto desenvolvido pelo Ecole também oferece capacitação aos gestores regionais e locais da SEME. Durante a realização dos cursos, haverá acompanhamento das práticas pedagógicas, nas sedes dos Clubes Escola, permitindo verificar o progresso dos cidadãos e os benefícios do esporte junto à comunidade.

Na próxima segunda-feira, na Universidade São Judas Tadeu, tem início o módulo dois do curso, que será ministrado pelo professor Dante Rose Jr, com foco em Esportes Coletivos Terrestres: basquete, voleibol, handebol, futebol, futsal e suas variantes espaciais de jogos em quadra, rua e areia. Em agosto, o professor Igor Armbrust, abordará as Atividades gímnicas e acrobáticas, enquanto as Atividades Rítmicas e Expressivas são temas das aulas da professora Cynthia Tibeau. Já em setembro, Esportes Individuais Terrestres e Esportes Aquáticos são assuntos dos professores Edison Manoel e Meico Fugita, respectivamente. Em outubro, Artes Marciais e Esportes de Combate, a cargo do professor Antenor Magno, encerram a capacitação.

(Texto e imagem: Fernando F. Ferreira)